O parto entre duas orelhas

Rick Jones, com este livro, amplia a discussão sobre assistência humanizada ao parto e nascimento.

Rick Jones é um dos mais expressivos militantes pela causa da humanização da assistência ao parto e nascimento no Brasil. Para  aprofundar o assunto, recomendamos a leitura de dois livros do obstetra gaúcho, Rick Jones: “Entre as Orelhas – Relatos de Parto” e ”Memórias do Homem de Vidro - Reminiscências de um Obstetra Humanista". Ele assiste partos domiciliares em Porto Alegre com sua esposa, Zeza Jones,companheira inseparável, com quem está há 30 anos e teve dois filhos. Juntos, formam uma dupla  atuante no universo da obstetrícia nacional. O obstetra assiste partos em hospitais, mas também partos domiciliares com Zeza e uma doula, Cristina. Seu papel, segundo ele, é ficar fotografando e só intervir em caso de necessidade. Afirma que “este é o papel do médico”. Rick Jones é muito conhecido nas mídias sociais e no movimento pela humanização do nascimento no Brasil e exterior. Participa da Lista Parto Nosso, é integrante da REHUNA – Rede pela Humanização do Nascimento e de outras instituições de apoio à humanização da assistência. Já esteve algumas vezes palestrando em Belo Horizonte.

Rick Jones tem uma forma gostosa de contar histórias entremeadas com ensinamentos científicos e profunda reflexão sobre o nascimento. Os livros  oferecem informações  valiosas sobre a assistência humanizada ao parto e nascimento. No livro “Entre as Orelhas”, entremeia suas reflexões com relatos de partos e conversas entre seus amigos Max e Nadine. Conta as dificuldades dos tempos de residente e reflete sobre a formação do médico, “muito pouco humanista e bastante tecnocrática”.

Aqui, um recorte do livro, onde ele resume os pressupostos do modelo da Assistência Humanizada ao Nascimento:

1 - O protagonismo restituído à mulher, sem o qual estaremos apenas "sofisticando a tutela" imposta milenarmente pelo patriarcado.

2 - Uma visão integrativa e interdisciplinar do parto, retirando deste o caráter de "processo biológico", e alçando-o ao patamar de "evento humano", onde os aspectos emocionais, fisiológicos, sociais, culturais e espirituais são igualmente valorizados, e suas específicas necessidades atendidas.

3 - Uma vinculação visceral com a Medicina Baseada em Evidências, deixando claro que o movimento de "Humanização do Nascimento", que hoje em dia se espalha pelo mundo inteiro, funciona sob o "Império da Razão", e não é movido por crenças religiosas, ideias místicas ou pressupostos fantasiosos.