Bernardo (Camila Esteves e Rodrigo)

Sempre quis ter um parto normal. Desde antes de casar isso sempre foi muito claro na minha cabeça. Minha mãe teve 2 partos normais e eu sempre fui "forte" pra dor. Pra mim a pergunta: "quer parto normal ou cesárea?" nunca teve nenhum cabimento ou lógica visto que vejo a cesariana como um artifício da medicina caso seja necessário e não uma "opção".

Conversando com uma prima de SP ela me disse que achava (pela conversa) que eu queria um parto humanizado e não simplesmente normal. Achei aquilo meio estranho, por que na minha cabeça parto humanizado era coisa de gente muito diferente de mim. Ela me indicou que eu assistisse ao filme "O Renascimento do Parto". Deixei aquela informação guardada na minha cabeça.

Quando comecei a planejar ter um filho resolvi buscar um médico que eu pudesse confiar. Depois de ouvir tantos relatos de mães que foram "convencidas" a fazer uma cesariana eu não queria cair na mesma armadilha. Não queria desconfiar caso o médico me indicasse uma cesárea. Pra isso eu teria que trocar o médico. Foi então que procurei uma amiga ginecologista e ela me indicou a Dra Avelina Sanches.

A Dra Avelina faz parte do Núcleo Bem Nascer que foi uma grande descoberta ❤️. Depois de engravidar e começar meu pré natal comecei a frequentar mensalmente, além do consultório, as reuniões do Núcleo. Nas reuniões, participei de palestras com os médicos obstetras, doulas, dermatologistas, psicólogas, pediatras,(...) palestras com grande volume de informação para me dar segurança durante a gravidez, parto e pós parto. Além das reuniões do Núcleo, fui também algumas vezes nas rodas de relatos de parto que acontecem no Parque Municipal e das Mangabeiras com as doulas da ONG Bem Nascer. Eu também pesquisava muito pela internet, lia relatos e assisti ao filme com o Rodrigo. Tinha mergulhado no assunto.

Já no terceiro trimestre, tudo muito planejado na minha cabeça. O plano de parto estava pronto, a doula contratada, estava fazendo (com a recomendação do Núcleo e da Dra Avelina) fisioterapia pélvica e acreditando que daria conta de um parto natural (sem anestesia). Fui até no hospital Sofia Feldman, referência fazer as terapias como ventosa, acupuntura e escalda pés. Foi aí que com 38 semanas, em uma quarta-feira dia 14/12, em um ultrassom de rotina, foi detectado que eu estava praticamente sem líquido amniótico.

Quando o índice normal de líquido seria 8 eu estava com 3. A médica que fez o ultrassom disse pra eu ir ao consultório da Dra Avelina e já me deu os parabéns: "olha deve ser hoje, hein? Parabéns!" Pra quem não sabe ou lembra, o Rodrigo trabalha fora de BH. Saí do ultrassom e liguei pra ele ficar de prontidão que eu estava indo na médica mas que tinha probabilidade dele ter que vir correndo. No consultório a Dra Avelina disse que o líquido estava muito baixo, que era pra eu ir no Santa Fé fazer um eletro com o dr Sandro (que estava lá) pra ver se poderíamos tentar induzir o parto ou se faríamos uma cesárea. Disse pra eu ir em casa pegar as coisas, sem pressa, que era pra eu almoçar antes. Disse ainda que era para o Rodrigo vir sim, ainda na quarta mas com calma, que iríamos esperar por ele.

Liguei pra minha mãe me encontrar na minha casa. Bateu a ansiedade! Nossa vai ser hj! Na hora de sair de casa com mala, quadro da porta da maternidade, lembrancinhas (...) olhei pra trás e pensei: "caramba, quando eu voltar o Bernardo já vai estar aqui comigo!".

Chegando na Maternidade Santa Fé fomos ao encontro do Dr Sandro (querido ❤️) para a realização do exame. Minha mãe e irmã acompanhando e mais ansiosas que eu. Exame feito, tudo OK com o Bernardo. Vamos tentar a indução. Fiz a internação na suíte PPP, afinal, queria um parto natural! Não fiquei preocupada por que já tinha lido / visto mais de um relato com indução que desencadeou em um parto vaginal com tranquilidade.

Rodrigo chegou direto no hospital e logo depois começamos a indução (às 16h). Foram 4 comprimidos intra vaginais, colocados de 4 em 4 horas e acompanhados de um doloroso descolamento da placenta (que já havia sido iniciado pela manhã no consultório da Dra Avelina). Nos intervalos dos comprimidos o eletro era repetido. Andei a noite inteira na esperança de entrar em TP. Subi e desci escada, rampa e rodei a maternidade todinha. Nenhuma contração. Nada. Às 8h do dia 15/12 Dra Avelina, eu e o Rodrigo decidimos pela cesárea. Não havia sentido continuar tentando. Meu corpo não entrou em TP e o Bernardo precisava de ar, já que o líquido era pouco.

Esperamos minha mãe chegar (tinha mandado ela pra casa, a contra gosto e muito preocupada) e entrei no bloco. Na hora que me vi dentro do bloco caiu a ficha: vou ter uma cesárea, me preparei tanto pro PN mas não pra uma cirurgia. Dra Avelina foi um anjo e, percebendo minha insegurança, me abraçou, colocou uma playlist tocando uma música linda, conversamos... Dra Alessandra também acompanhou durante a noite minha indução e o parto, além da anestesista, Dra Aurora, que também foi uma querida nessa hora.

Bernardo nasceu lindo e saudável dia 15/12/2016, às 10:29 da manhã, através de uma cesariana. Mas foi uma cesariana humanizada, respeitando meu corpo, minha vontade e, principalmente os limites do meu filho. Não saiu como eu planejei, como idealizei mas foi a minha história.

Só tenho a agradecer ao Núcleo Bem Nascer, Dra. Avelina Sanches e ao meu marido. ❤️